quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Conflito na Palestina e o Holocausto.

   Outro assunto que parece repetitivo, mas que merece atenção. Talvez o grande enigma político da nossa geração. É um tema para artigo acadêmico de 50 páginas, vou ser resumido. Eu aprendi que para entender algo hoje nós temos que voltar ao passado e é justamente na divisão dos territórios lá me 1939 que está o problema.
   A Inglaterra possuía domínio sobre os territórios onde hoje é Israel em 1920. É tudo fruto de um grande jogo de interesses, Theodor Herzl em 1896 aspirou em um livro um país judeu, o reino inglês precisava dos judeus para pressionar os EUA a entrar nas grandes guerras e a Alemanha precisava perseguir alguém, pois estava com “dívidas de guerra” com os ingleses, uniram o útil ao desagradável (holocausto), mais um motivo para a doação do território e formação do estado israelense em seguida.
  Pra mim o grande culpado de tudo não é Palestina nem Israel, é quem está calado fingindo ser inocente, mas por trás da cortina está agindo e nesse caso chama-se Jordânia. Um reino muçulmano que também foi formado com terras doadas pelos ingleses (ao lado de israel), mas que soube a hora certa de apoiar uma guerra pela “religião” colocando pobres palestinos como iscas contra um país legítimo #carasdepau.
   Eu não tenho medo de defender o estado judeu mesmo sabendo de tantas mortes no lado palestino, se olharmos a proposta inicial do ONU para a região veremos que algo iria sair bem errado no local: 

 Em amarelo os árabes e em laranja os judeus. Proposta da ONU de 1947. 

P.s: Esse é meu último texto de 2014, obrigado aos que sempre me dão uma oportunidade lendo até o fim os textos, bom final de ano e nos vemos em 2015!